segunda-feira, 15 de agosto de 2011

"DIGA-ME COM QUEM TU ANDAS E EU DIREI QUEM TU ÉS?"


Jesus não condenava as pessoas, mas condenava as práticas erradas que cometiam. Ninguém era obrigado a segui-lo, mas aqueles que realmente se “convertiam” deveriam dar “TESTEMUNHO DO QUE ELE ENSINAVA”. O jovem líder cristão, precisa saber viver em qualquer lugar ou ambiente e dar TESTEMUNHO ORAL e PRÁTICO da sua fé nesse Cristo, mesmo que esteja sozinho, longe dos pais, dos seus amigos/irmãos em Cristo ou da igreja.


A palavra “testemunho” pode ser definida, de acordo com o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, como “depoimento, prova cabal, plena, sinal e indício”.

Assim sendo, entendemos que o testemunho cristão diz respeito às provas visíveis, cabais e plenas, servindo como sinal perante a sociedade (rua, escola, trabalho, boate...), ou seja, somos cristãos no local onde estejamos inseridos, devendo assim, de fato, darmos “exemplo” do que cremos em qualquer lugar.

A esse respeito, devemos lembrar-nos do que está escrito na Carta de São Tiago: “Assim também a fé, se não tiver as obras, é morta em si mesma. Mas dirá alguém: Tu tens a fé, e eu tenho as obras; mostra-me a tua fé sem as tuas obras, e eu te mostrarei a minha fé pelas minhas obras”. (Tg 2, 17-18).

Não podemos desprezar o testemunho através daquilo que dizemos, ou seja, as palavras precisam ser confirmadas pelo modo como agimos.

Jesus ressaltou, aos seus discípulos, que seríamos conhecidos pelos frutos (Mt 7, 16-20). Em sua epístola aos Filipenses, São Paulo, no versículo 15 do capítulo 2, admoesta-os a fim de que sejam irrepreensíveis (amemptos, em grego) – que não mereçam qualquer tipo de censura – e sinceros (akeraios, em grego) – com a mente firmada em Cristo, sem mistura com o mundo, ou seja, que as pessoas vejam em mim, um modelo de Cristo...

Minhas atitudes e minhas companhias tem refletido isso?

São Paulo diz que corpo, alma e espírito devem ser conservados em integridade por ocasião da manifestação gloriosa de Jesus Cristo, ou seja, a integralidade do cristão precisa estar envolvida no processo da santificação (corpo templo do espírito).

O que vai de encontro com os ensinamentos de João Paulo II, “JOVENS SEJAM SANTOS, ASSIM COMO VOSSO PAI QUE ESTÁ NO CÉU É SANTO”... “tudo o que não é de fé é pecado” e que tudo o que fazemos deverá glorificar a Deus, ou seja, se tu és um jovem líder cristão, ISSO NÃO PODE SER SÓ NA IGREJA, tua conduta deve refletir isso em todos os locais... “tu és diferente... és um escolhido por Deus... para ser reflexo d’Ele aqui na terra”.

Existem muitos “jovens” que apenas servem a Deus aos sábados e domingos, distanciando-se d’Ele nos outros dias da semana. Há quem seja uma “benção” na igreja, mas tem um péssimo comportamento em casa, com sua família, na sua escola ou no seu trabalho, dando mau exemplo aos colegas e comprometendo o seu movimento, sua igreja e o nome dos seus irmãos de caminhada.

Às vezes, têm até um bom palavreado, pregam muito bem com a boca, mas o coração está longe do Cristo. A Bíblia nos ensina: “Quem anda com pessoas sábias tornar-se-á sábio, mas irá mal com aquele que tem tratos com os estúpidos.” (Provérbios 13, 20) – ou seja, aquele velho ditado: “diga-me com quem tu andas e eu te direi quem és...”.

Assim toma cautela ao escolher as pessoas com quem darás teu testemunho de vida... não se trata de julgar as pessoas, mas sim a atitude de pecado... a verdade é que existem pessoas que não querem viver conforme Cristo nos ensina (preferem a promiscuidade; as drogas; o sexo livre; a bebida; as orgias; o mundo mundano...) quanto a esses Jesus ensina que devemos respeitar sua opção, mas não podemos ser contaminadas por elas, ou seja... “ai de ti Corasin, ai de ti Betsaida... te afasta, vai para longe, e inclusive se contaminou tuas sandálias, tira até o pó dos calçados...”

O psicanalista suíço Eugênio Muzzac diz que, se não identificamos qual é o nosso grupo, não podemos identificar a nós mesmos, pois não temos parâmetros de comparação. Não é por acaso que a frase bíblica foi incorporada pela linguagem popular, que há muito tempo sentencia: “Dize-me com quem andas que te direi quem és”. O equivalente para a psicanálise seria algo como: “Digo-me com quem ando para saber quem sou”, exatamente por isso devo escolher com quem devo andar, para dizer quem sou, porque não adianta, somos sempre influenciados pelo meio. Não se trata de me tornar inimigo, trata-se apenas de não concordar com os atos/atitudes erradas...

Também nessa linha de raciocínio há outros jovens cristãos que ficam insensíveis para os problemas dos outros; julgam sem direito de defesa (colocam o Cristo na 1ª Estação da Via Sacra); não perdoam; são rancorosos com gestos e amargos com as palavras; machucam e não pedem perdão... Prepondera as suas opiniões e não realizam aquilo que Jesus ensina. Estes, estão no templo, sem estarem na Igreja. Tenhamos cuidado para não desenvolvermos uma vida dupla, agindo de um jeito na igreja e de outro fora dela.

Por isso mesmo temos de entender que o grupo social a que pertencemos tem papel fundamental na construção de nossa personalidade. Eis a razão pela qual as mães, mesmo sem nada entender de psicologia, costumam ter grande preocupação com as amizades dos filhos e das filhas. Sabem intuitivamente que os jovens, cuja personalidade está em construção, precisam afirmar-se através de “personas” que, se forem representadas por muito tempo, serão incorporadas. “Cuidado com as más companhias” – esse é um dos principais conselhos das mães zelosas... o que também é um “ENSINAMENTO BÍBLICO”...
Portanto não basta "DIZER QUE É" cristão, tem de demonstrar “SER CRISTÃO"... Jesus quando diz se nosso olho for causa de pecado devemos arrancá-lo, não fala em mutilar nosso corpo, mas sim nos afastarmos daquilo que nos leva ao erro... isso significa que se for necessário, TEMOS QUE NOS afastar das pessoas que nos induzem ao pecado e ao erro do nosso convivio (arrancar)... o mesmo exemplo serve para "comunidades de orkut"... e todos aqueles meios que nos afastam do ensinamento e do testemunho cristão (signos - fakes pejorativos e depreciativos - esoterismo - etc).


REFLEXÃO:

  • Será que temos agido em conformidade com a fé que professamos (sendo reflexo de Deus aqui na terra)?
  • Precisas perdoar ou pedirdes perdão à alguém?
  • Nossas palavras e atos, na igreja, em casa, na escola, no trabalho e na sociedade condizem com os procedimentos de um cristão?

Pense nisso!  

SHALOM!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário